10 emoções que as pessoas tentam evitar, mas deveriam usar para seu autodesenvolvimento

Devemos cultivar nosso jardim

Voltaire

Muitas vezes sentimos emoções negativas, emoções que se não soubermos como tirar o melhor delas, podem nos levar a destruição e ruína. O grande desafio é aprender identificá-las e saber extrair lições e soluções para elas.

 

Tony Robbins é um famoso escritor que identifica em seu livro: Desperte o seu Gigante Interior 10 destas emoções primárias, que provavelmente todos nós já sentimos em algum momento da vida.

 

Você pode encontrar este livro aqui: https://amzn.to/2Uj2ehl

Vamos conhece-las:


  1. Desconforto

 

 

O desconforto apesar de não gerar uma carga de intensidade alta em nosso organismo gera uma sensação de que as coisas não estão indo bem. Por exemplo: acredito que todos estejam vivendo atualmente algum tipo de desconforto com esta situação mundial de pandemia.

Como todas as emoções se não forem resolvidas, a sensação de desconforto poderá se intensificar e gerar mais dor. Então, nossa imaginação e expectativa podem tornar a dor dez vezes mais intensa do que tudo que podemos experimentar na vida real.

Sendo assim, o desconforto serve para nos fazer ter ação, criar enfrentamento, faz com que tenhamos que escolher, decidir o que é melhor para nós.

Desenvolver a habilidade de aprimorar ações e decidir é muito importante para nosso desenvolvimento, faz com que mude a maneira como nos sentimos em relação a qualidade dos resultados que conquistamos em nossas vidas.

Quando uma ameaça parece ser maior do que ela realmente é, se temos a expectativa de dor, em níveis intensos, desenvolvemos sinal de ação.

O tédio, impaciência, apreensão, aflição ou um embaraço brando transmitem a mensagem de que algo não está muito certo e talvez a maneira como percebemos as coisas estejam desviadas.


  1. Medo

Preocupação intensa, apreensão, ansiedade, pavor e até mesmo terror são níveis de emoções ligadas ao medo. Nosso organismo está nos alertando para algo que vai acontecer em breve. A maioria das pessoas se comportam de forma a se entregar intensamente ao medo ou a ignorar. . 

Fingir que o perigo não existe ou se entregar ao medo a ponto de amplifica-lo pode realmente gerar problemas. Mas às vezes, assumir sabendo que fez tudo o que era possível para se preparar para aquilo que teme, é assumir uma posição de antídoto ao medo, e que a maioria dos medos na vida raramente se realiza.

O enfrentamento e a exposição são o melhor remédio para o combate do medo, um bom remédio é analisar aquilo de que sente medo e avaliar o que fazer para se preparar mentalmente. Quando se fez tudo o que se podia fazer para enfrentá-lo e mesmo assim ele persistir, devemos assumir uma decisão de fé.


  1. Mágoa

A mágoa pode ser muito específica, parece estar entre a campeã nos relacionamentos humanos, tanto pessoais como profissionais. Quando sentimos a emoção de mágoa ela geralmente parece estar associada ao sentimento de perda. É muito comum pessoas magoadas descarregam suas emoções nas outras.

A mágoa nos diz que a expectativa não foi correspondida, ela aparece com a falta de cumprimento de palavras, uma perda de intimidade com a pessoa e confiança.

Só que na realidade, talvez a mágoa faça com que a pessoa não perceba o impacto de suas próprias ações na sua vida. 

Reavaliar a situação e se questionar se houve uma perda real ali, ou se é julgamento precipitado é uma boa alternativa, conversar de uma forma elegante e apropriada sobre seu sentimento em relação a pessoa envolvida também pode ajudar a esclarecer as coisas. Se a mágoa persistir ela vai se transformar em raiva.

Uma reflexão que na realidade você pode não ter perdido coisa alguma e talvez o que precise perder seja a falsa percepção de que essa pessoa está tentando feri-la ou magoá-la.

Será que não estou julgando a situação de forma precipitada e com excessivo rigor?

Dizer a pessoa envolvida de um jeito elegante e apropriado, seu sentimento de perda em relação ao ocorrido.


  1. Raiva 

Raiva contempla da irritação ligeira ao ressentimento de fúria. Geralmente ela quer nos dizer que uma norma ou padrão importante que sustentamos por toda a vida foi violado, até mesmo por nós mesmos.

A presença de raiva é uma excelente oportunidade para reavaliar nossas crenças pessoais se são irracionais ou não, afinal, não somos o centro do universo. 

Afinal de contas, o que podemos aprender com ela? Se ela não for sanada pode gerar frustração.


  1. Frustração

Iniciamos o comportamento de frustração em momentos que sentimos que estamos cercados por bloqueios em nossas vidas, enviamos um esforço incessante, mas não recebemos recompensas.

Isso significa que seu cérebro acredita que poderia estar se saindo melhor, a solução do problema está ao seu alcance, mas que tudo o que você fez até agora não funcionou e precisa mudar seu comportamento para alcançar o objetivo.

Significa que temos que nos tornar flexíveis.


  1. Desapontamento

O desapontamento pode ser uma emoção bastante destrutiva, e se faz necessário lidar com ela o mais rápido possível.

É um sentimento do tipo: “fui deixado na mão”, de que sempre vamos perder algo para sempre. Sempre que esperamos mais do que recebemos, ficamos tristes, e isso é o desapontamento.

As vezes é necessário mudar as expectativas para que elas se tornem realidade. Um bom exemplo é quando nos empenhamos tanto por algo que não acontecerá por vários motivos que não estão sob nosso controle.  A melhor forma é iniciar uma ação para alcançar de imediato um novo objetivo. Aprender com a situação para não se repetir no futuro. 

Ter um plano B sempre. 


  1. Culpa

As emoções de culpa, remorso e arrependimento estão entre os sentimentos que os seres humanos mais evitam na vida. São emoções dolorosas que experimentamos, mas possuem uma função valiosa.

A culpa significa que violamos nossos padrões mais elevados e temos que fazer alguma coisa imediatamente para que não voltemos a violar no futuro. Quando a dor está vinculada de forma suficiente a um comportamento, tentamos mudá-lo. É uma pena que muitos tentam lidar com seu sentimento de culpa por negação e supressão.

Infelizmente algumas pessoas conseguem derrotar a si mesmas, mental e emocionalmente, porque sempre deixam de corresponder aos padrões que se fixaram, em quase todas as áreas da sua vida. Neste caso as pessoas experimentam o sentimento de inadequação.


  1. Inadequação

Inadequação é um sentimento de desmerecimento e ocorre sempre que não conseguimos fazer alguma coisa que deveríamos fazer, simplesmente isso representa uma inabilidade para tarefa pertinente ao momento. São necessários um esforço em desenvolver mais informação, compreensão, estratégias, instrumentos de adaptação ou confiança. É sempre importante em primeiro lugar, compreender porque estamos nos sentindo inadequados para depois tomar uma ação a respeito.

  1. Sobrecarga ou sufoco

Sentimentos de pesar, depressão e desamparo fazem parte de sentimentos de sobrecarga e sufoco. Quando não há nenhum significado fortalecedor para algo que ocorreu sentimos um pesar, geralmente está ligado a situações que estão fora de nosso controle.

  1. Solidão

Qualquer coisa que nos faz sentir sozinhos, apartados ou separados remete ao sentimento de solidão. Sentir solidão significa que você precisa de uma ligação com as pessoas. Algumas pessoas confundem isso com ligação sexual ou intimidade imediata, mas depois sentem-se frustradas. Por isso é necessário compreender que você pode se projetar e estabelecer uma ligação imediatamente, existem pessoas interessadas em toda parte. Identificar que tipo de ligação é necessário, talvez uma amizade simples para conversar com alguém ou simplesmente uma pessoa com quem possa rir.

Lembrar a si mesmo que a coisa sensacional em ser solitário é o fato de que “Eu realmente me importo com as pessoas e adoro ter companhia”.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *